13 de fev de 2012

Privataria: por que Serra e FHC venderam tão barato ?

O Sintonia Fina reproduz texto de Paulo Henrique Amorim



O programa Entrevista Record Atualidade que vai ao ar nesta segunda-feira, na Record News, às 22h15, logo após o programa do Heródoto Barbeiro, exibe entrevista com o senador Lindbergh Farias, PT-Rio, sobre o leilão dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Viracopos.

O ansioso blogueiro perguntou, de saída, se tinha acabado o Fla-Flu.

Como disse a assim chamada “musa” da privatização tucana, o embate ideológico, o Fla-Flu, tinha acabado.

Deu empate.

Todo mundo privatiza.

Porque privatização é feito Vitamina C: faz sempre bem.

Lindbergh explicou que o que a Presidenta Dilma fez foi o que o PT sempre faz: concessão.

Concessão, no caso, de 20, 25 e 30 anos.

Depois, se precisar, traz de volta.

O Presidente Lula fez várias concessões de rodovias.

E o pedágio médio dessas rodovias é de R$ 4.

O pedágio das rodovias concedidas pelo PSDB tem o pedágio médio de R$ 20.

A Presidente Dilma, disse ele, não vendeu patrimônio nacional.

(Não “entregou”, verbo que os tucanos conjugam em todos os tempos e modos – PHA)

Ela concedeu a grupos privados o direito de explorar serviços de solo dos aeroportos.

Em sociedade com a estatal Infraero, que terá 49% das ações do negócio.

A Infraero são os “olhos do Governo”.

O pé na porta, diria o ansioso blogueiro.

Ela não vendeu a Infraero, o Ministério da Defesa ou o espaço aéreo.

O Fernando Henrique vendeu 94 empresas.

94 !

E apurou R$ 85 bi.

E, ainda assim, aumentou a participação da dívida no PIB.

Embora o dinheiro da privatização tenha sido empregado em abater a dívida – e, não, em investimentos produtivos.

(Como diz o Delfim: o Fernando Henrique vendeu as jóias da família e aumentou a divida.)

Fernando Henrique apurou R$ 85 bilhões ao passar as 94 empresas nos cobres.

Nesses três leilões, e apenas neles, lembrou Lindbergh, a Presidenta Dilma apurou R$ 40 bi – R$ 24 bi pela outorga, com e R$ 16 em investimentos.

Quase a metade das 94 empresas do Cerra/FHC.

O Cerra e o Fernando Henrique venderam a Vale por R$ 3 bi, sendo que a Vale tinha R$ 700 milhões em caixa, lembrou o Senador.

R$ 700 milhões no cofre.

As teles, o FHC vendeu por R$ 22 bilhões.

E deu para o Daniel Dantas , o “brilhante “, administrar.

O ansioso blogueiro lembrou que há uma diferença não desprezível entre o sistema Cerra/FHC e o da Presidenta Dilma: a Privataria Tucana.

Lindbergh suspeita que esse processo que Amaury Ribeiro Junior chama de Privataria Tucana é o que explica os preços tão baixos obtidos por Cerra e Fernando Henrique.

Com Privataria deve sair mais barato, não é isso, amigo navegante ?

Existe uma diferença essencial entre os dois sistemas – o do Fla e o do Flu.

O sistema do Cerra/FHC era o de esmagar o Estado.

Lindbergh lembra que, em oito anos, o FHC e o Cerra (Planejador-Mor) não aumentaram o servidor público.

Ele mostrou, no ar, o documento assinado pelo Ministro da Fazenda Pedro Malan – já divulgado aqui no Conversa Afiada – em que o Brasil promete ao FMI vender o Banco do Brasil, a Caixa e o BNDES.

(Sem falar na Petrobrax, que seria fatiada, esvaziada, e vendida a granel – como explicou Sérgio Gabrielli, que fez uma revolução na Petrobrás e não deixou o Cerra entregar o pré- sal à Chevron, como se soube pelo WikiLeaks )

O método do Governo Dilma – lembrou Lindbergh – é o do  Estado regulador, indutor.

Com uma política vigorosa de inclusão social – que os tucanos nunca tiveram.

Lula tirou 28 milhões de brasileiros da miséria.

Levou 30 milhões para a Classe C.

E deu 17 milhões de empregos com carteira assinada.

Esse Nunca Dantes … – só faltou dizer o Lindbergh.



Sintonia Fina



Nenhum comentário: